Conecte-se conosco

Notícias

Defesa de Bolsonaro jogará culpa da fraude em Cid e aliados

Publicado

Em meio ao escândalo das fraudes em dados de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), de sua filha e de parte da sua comitiva, a defesa dele já traçou uma estratégia para isentar o político de responsabilidade sobre os crimes investigados.Os advogados deverão alegar que o tenente-coronel Mauro Cid e os seguranças presos durante a operação da Polícia Federal falsificaram os documentos “em proveito próprio”.As informações foram publicadas pela colunista do UOL, Thaís Oyama. De acordo com ela, a defesa do ex-presidente tem divulgado que Jair Bolsonaro não estava ciente das ações de seus assessores.Veja também:PF prende ajudante de ordens de Bolsonaro em operaçãoAliados de Bolsonaro discutiram golpe em dezembro de 2022Além de Mauro Cid, o sargento Max Guilherme Machado de Moura e o capitão da reserva Sérgio Rocha Cordeiro, que eram seguranças do ex-presidente, também foram presos na operação.
A tese do proveito próprio disseminada pela defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro é baseada no direito dos seguranças de obterem o visto A1, porém apenas quando estiverem acompanhando a comitiva de um presidente, ou ex-presidente.No caso em questão, Bolsonaro ainda ocupava o cargo de presidente da República quando viajou para os Estados Unidos.O visto A1 é um visto diplomático que isenta o portador da jurisdição vigente no momento. Isso significa que nem Mauro Cid nem os demais seguranças precisariam apresentar o certificado de vacinação, pois estavam na comitiva do ex-presidente.
De acordo com a defesa, o proveito próprio estaria nas viagens posteriores realizadas pelos seguranças. Devido à troca de turno, eles foram e voltaram dos EUA duas ou três vezes. Nessas ocasiões, eles já não estavam mais na comitiva presidencial e, portanto, teriam que entrar como passageiros comuns, sujeitos às regras de vacinação aplicáveis a todos.
Thaís Oyama também relatou que, no dia da prisão, uma fonte que conversou com os dois seguranças afirmou que eles admitiram não terem tomado a vacina contra a Covid-19. Ao serem questionados, afirmaram que não receberam a vacina.É importante ressaltar que existem registros de vacinação para o sargento Max e o capitão Cordeiro tanto no sistema do ConectSUS quanto em Duque de Caxias, assim como no caso do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Fonte: DOL – Diário Online – Portal de NotÍcias 

Deixe seu comentário

Facebook

Redes Socias

"

Últimas Notícias

Destaque4 dias ago

Plenária Histórica no PT de Belém: Apoio Maciço à Pré-Candidatura de Edmilson Rodrigues à Prefeitura

Na capital paraense  o Partido dos Trabalhadores de Belém protagonizou na última segunda-feira uma plenária de proporções históricas. Reunindo cerca...

Política1 semana ago

Senador Beto Faro (PT-PA) Assume Liderança da Bancada do PT no Senado

Nesta quarta-feira (21/2), o senador Beto Faro, natural de Bujaru (PA), foi eleito para assumir o comando da bancada do...

Destaque1 semana ago

Prefeitura de Belém instala Sala de Situação do Controle e Combate à Dengue

A Prefeitura de Belém criou a Sala de Situação do Controle e Combate à Dengue, que foi instalada nesta quarta-feira, 21,...

Notícias1 mês ago

Inscrições para concurso de Marituba terminam segunda (29)

A Prefeitura de Marituba encerra, nesta segunda-feira (29), as inscrições para o concurso público que tem como objetivo a contratação...

Notícias1 mês ago

Morre Valdir Acatauassú, secretário-adjunto de obras do Pará

Morreu na manhã deste domingo (28), o secretário-adjunto de Obras Públicas do Pará (Seop), Valdir Parry Acatauassú, aos 59 anos....

Notícias1 mês ago

Ex-BBBs apoiam e defendem Davi do BBB24 nas redes sociais

O clima da casa do Big Brother Brasil de 2024 não está muito amigável, principalmente para o lado do participante...

Notícias1 mês ago

Angoulême 2024: destaques e vencedores revelados

Angoulême, França – Encerrando sua 51ª edição, o Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême premiou talentos excepcionais durante a cerimônia...

Destaque